Textos


A parede que me fita, sem dizer palavra
exibe as marcas dos quadros que ostentou...
Um casario colorido, ruas tortas da Bahia,
mulheres fazendo compras na feira
uma moça faceira pretextando alegria.

A parede é branca, feito nuvem,
algodão doce no silêncio que me cala...
Não mais resta orgulho ou ambição, 
a parede é só parte da velha casa
onde nasci e engendrei meu coração.

A casa já não me pertence, e a parede
seguiu-lhe a sorte, e por ora me abraça
pois voltei ao tempo em que acreditava
caber o mundo no pátio de pedras portuguesas
e nos sorrisos prateados dos meus pais.


A parede deles guardou trilhas e décadas
casamento que a lembrança não desfaz
apesar da morte a torpeza de mil ais.
A parede também proteje o menino 
que brincava de Zorro em tardes vagarosas
o menino que ora a fita ensimesmado
o velho homem que a reencontra, extasiado...
  

 Crédito da imagem : http://www.dcoracao.com/2015/02/uma-reflexao-sobre-as-paredes-brancas.html 
 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 11/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários