Textos


Queria ser artífice de poemas dourados
Ter imagens da belle epoque
A se desenhar nos lábios cerrados
Palavra nunca dita nem sonhada
Queria Paris dentro d’alma...
 
Na periferia das minhas atenções
Sob o Equador implacável
Sou marinheiro do Atlântico
Escravo vendido e açoitado
Sem concessões à alegria dos exangues...
 
Minha palavra rota, suja, ofensiva
Faz do recanto da minha fuga, paraíso
Eu escrevo somente a gota mais amarga
Da bebida entorpecente que preciso. 
alexandre gazineo
Enviado por alexandre gazineo em 26/07/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Alexandre Gazineo (www.alexandregazineo.com)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários